Prepare-se para seu banho de água fria empreendedor (uma hora ele chega)

16.11.2016 Desenvolva

A certa altura de uma excelente entrevista entre meu amigo Leo Rapini e a criadora do Espaçonave, Rafa Kapai, ele diz o seguinte: “o sonho deixa de ser sonho quando vira realidade”. Não sei você, mas eu entendi a frase como uma pegadinha: o sonho (desejo) deixa de ser sonho (perfeição projetada) quando se torna real e se mostra cheio de nuances não esperadas – também conhecidas como realidade.

No papo, Rapini explica para Kapai: você pensou esse espaço, todos os detalhes, mas, na hora de sonhar, provavelmente não atentou que, no começo do negócio, também teria de varrer o chão e lidar com uma série de outras coisas que não estavam previstas.

Em algum momento do seu incrível estalo empreendedor, naquele momento em que você termina o business model canvas e acha que vai ficar milionário em 5 anos, naquele dia que você assina o alvará na junta comercial, exatamente naquele dia, você não está pensando no contador esperto, no concorrente maroto, muito menos na roupa pra lavar em casa.

Aqui no texto, vou dar um nome diferente para essa história: banho de água fria empreendedor.

É algo que todo mundo vai viver, muito provavelmente, no início da jornada.

Para alguns, pode ser um contador que te explicou errado os impostos e você teve que pagar bem mais que o previsto.

Para outros, um concorrente espertão que decidiu negociar com um fornecedor em comum “queimando” você.

Para mim, o banho de água fria no sonho empreendedor, foi entender que eu continuo sendo gente enquanto viro “homem de negócios”.

“Sério que tem continuar lavando louça?”

Em algum momento do seu incrível estalo empreendedor, naquele momento em que você termina o business model canvas e acha que vai ficar milionário em 5 anos, naquele dia que você assina o alvará na junta comercial, exatamente naquele dia, você não está pensando no contador esperto, no concorrente maroto, muito menos na roupa pra lavar em casa.

O banho de água fria empreendedor, por definição, é o momento em que você sai de alguma inocência. Se você for um ~jovem inexperiente~ como eu, vai ter dois. Esse da “louça” foi meu segundo, já que o primeiro foi relacionado a sociedade e eu já falei dele por aqui.

Superar esses momentos não deve ser razão para sermos mais cínicos sobre nosso negócio, mas potencialmente mais resilientes. A capacidade de “consertar o chuveiro com ele ligado” é essencial nesses banhos gelados que o mercado (ou a vida) pode te dar no meio do processo.

Ricardo Oliveira